Se você já pensou em fazer investimentos e começou a pesquisar sobre o assunto, com certeza já descobriu, além de muitas possibilidades para a aplicação do seu dinheiro, muitas novas siglas do mercado econômico. Seguindo esse padrão, é bem provável que você tenha se deparado com o famoso LCI, ou melhor dizendo, a Letra de Crédito Imobiliário.

A LCI, a primeira vista, tem sido uma opção super interessante para os investidores que decidem apostar no mercado imobiliário, mas a verdade é que essas três letras também carregam alguns empecilhos para quem está começando a aplicar o seu dinheiro agora.

Mas talvez nada disso esteja fazendo sentido para você ainda, afinal, o que é a Letra de Crédito Imobiliário, como ela funciona e quando você deve investir nessa opção? É exatamente sobre essas questões que vamos tratar neste artigo.

LCI: o que é

Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que é a LCI e como ela funciona. A Letra de Crédito Imobiliária, apesar de parecer um nome confuso, funciona de forma relativamente simples, fazendo-se basicamente de um empréstimo em que existem três partes envolvidas: o investidor, uma instituição bancária e o setor imobiliário.

Como é de conhecimento geral, uma das grandes atividades de um banco é o empréstimo de capital para seus clientes. O que pouca gente sabe, no entanto, é que em alguns casos, para poder oferecer esse empréstimo, a instituição financeira opta por captar recursos de investidores vendendo títulos de crédito. Isso funciona porque, ao fazer o empréstimo final, o banco cobra um juros mais alto do que a taxa final que será retornada para o investidor em questão – ou seja, tanto quem investe quanto a instituição financeira conseguem lucrar com o negócio.

Sendo a LCI um desses tipos de títulos de crédito disponibilizados pelos bancos, ao comprá-la o investidor está emprestando dinheiro para o banco que, por sua vez, irá  fazer um segundo empréstimo para o setor imobiliário. Aplicar seu dinheiro em uma LCI é, portanto, nada mais do que ajudar em projetos de financiamento, construção e reforma de imóveis, por exemplo!

O acordo é garantido por um contrato entre as partes, no qual a instituição financeira te garante o retorno do investimento com juros em determinado prazo. Todo esse processo caracteriza o LCI como um investimento de renda fixa.

Como funciona uma LCI

Agora que o conceito da Letra de Crédito Imobiliária ficou mais claro, é hora de entender como esse tipo de investimento funciona na prática!

O primeiro passo quase óbvio é selecionar um banco ou uma corretora de valores para se aplicar o seu dinheiro. A melhor forma de tomar essa decisão é pesquisando sobre suas opções, visando compreender, principalmente, a rentabilidade oferecida por cada uma delas.

Dependendo do seu objetivo com aquela aplicação, talvez seja melhor investir no banco em que você já tenha uma conta aberta ou utilizar uma agência de investimentos, em que você pode conseguir uma diversificação maior para a sua carteira de investimento. Seja qual for o caminho escolhido, uma pesquisa esmiuçada sobre cada instituição é de extrema importância antes de bater o martelo!

Decidido o destino da sua aplicação, é hora de escolher o tipo de LCI que você deseja comprar. Existem três tipos de Letras de Crédito Imobiliárias em que você pode investir, são elas a saber:

  • Prefixado: nesse tipo de LCI o investidor já sabe exatamente qual o retorno final da sua aplicação, uma vez que a taxa de juros do acordo já é determinada entre ele e a instituição financeira de sua escolha;
  • Pós-fixado: aqui, a rentabilidade final estará atrelada a algum indicador financeiro, como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) ou a taxa Selic, e, exatamente por isso, o lucro do investimento pode variar do projetado no momento de início da aplicação;
  • Híbrido: assim como o próprio nome sugere, nesta opção de LCI existe uma junção das duas anteriores. O investidor tem a garantia de uma taxa de rentabilidade já estabelecida, mas esta será acrescida da variação de um outro indicador financeiro, como o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

O próximo passo será definido pelas etapas mais burocráticas de cada instituição, mas basicamente depois de definir onde e como aplicar o seu capital, é hora de realmente comprar a sua LCI.

Vantagens e desvantagens da LCI

Assim como explicado no outro tópico, a LCI é mediada por um contrato entre o investidor e a instituição financeira. Esse acordo formal traz lados positivos e negativos de se investir em uma Letra de Crédito Imobiliário, pelos quais vamos passar agora!

Vantagens de se investir na Letra de Crédito Imobiliária

A LCI tem se feito de uma tendência para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e isso se deu exatamente pelas vantagens apresentadas por esta modalidade de investimento. Podemos creditar seus principais benefícios como sendo:

  • Sua característica de renda fixa. A LCI garante uma estabilidade ao investidor e é uma ótima opção para quem objetiva aplicar seu dinheiro visando aposentadoria, independência financeira ou formação de patrimônio, por exemplo;
  • A rentabilidade da LCI é bastante atrativa, beirando 100% do CDI. Além disso, caso o investidor opte pela alternativa da Letra de Crédito prefixada, a possibilidade de previsão da rentabilidade também é um fator que desperta o interesse de quem deseja aplicar seu dinheiro;
  • Escolhendo a LCI o investidor se torna isento da cobrança do Imposto de Renda sobre essa aplicação, uma vez que esse tipo de investimento é considerada um tipo de incentivo do Governo Federal;
  • A garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) é outro ponto que pesa bastante na hora de se apostar na LCI. Em termos simples, o FGC garante que, caso ao fim do contrato a instituição financeira não consiga pagar o investidor, este será reembolsado (em valores de até R$250 mil). Ou seja, a Letra de Crédito Imobiliária não se caracteriza como um investimento de alto risco para o investidor;
  • Por fim, a facilidade atrelada ao processo também é vista com bons olhos por quem decide investir na LCI: seja aplicando em um banco ou em uma agência, o único papel do investidor é esperar a data do resgate para recolher o dinheiro.

Desvantagens de se investir na Letra de Crédito Imobiliária

No entanto, optar pela LCI também tem seus lados negativos:

  • A primeira e mais preocupante desvantagem para quem pensa em aplicar em uma LCI é o ticket de entrada do investimento: a grande maioria das Letras de Crédito Imobiliárias têm uma aplicação mínima de R$ 5.000,00 ou R$ 10.000,00, o que se torna um grande impedimento para pequenos investidores;
  • O prazo de resgate é outro ponto que pesa na hora da decisão: a maioria das LCIs tem um vencimento próximo ao prazo de um ano;
  • Isso nos leva ao próximo ponto negativo da LCI: a falta de liquidez.  Lembrando que, assim como previsto no contrato desse tipo de investimento, os recursos captados só podem ser recolhidos no tempo estabelecido previamente, o resgate antecipado culminaria na total inexistência de rentabilidade do dinheiro investido;
  • Por fim, apesar de ser super importante para o funcionamento do LCI, a garantia do FGC também pode ser caracterizada como um ponto que pode se tornar negativo, no sentido de que, caso necessário ser acionado, o investidor deve ainda aguardar o prazo dos trâmites do próprio Fundo Garantidor de Créditos para receber seu reembolso.

Mas afinal, vale a pena investir em LCI?

A melhor resposta para essa pergunta é “sim e não”. Decidir por investir em Letras de Crédito Imobiliários, assim como qualquer outro tipo de investimento, depende muito do seu objetivo com aquela aplicação monetária!

Como vimos neste artigo, quem opta pela LCI tem que, primeiro, ter um capital alto, devido ao ticket de entrada, e, segundo, não precisar de um retorno rápido do seu investimento, visto que o período de resgate geralmente gira em torno de um ano. No entanto, a LCI também apresenta um número grande de vantagens interessantes para quem decide apostar nesse tipo de investimento.

No fim das contas, a LCI, majoritariamente por conta do seu custo de investimento, corrobora com a ideia de que o ato de investir seria uma tarefa destinada a um grupo quase seleto da sociedade. Mas a verdade é que, em questões de bons benefícios, existem outras opções de investimento que podem acabar sendo muito mais interessantes, principalmente para pequenos investidores ou para aqueles que desejam um retorno de investimento mais rápido sem sair do campo do setor imobiliário!

O crowdfunding imobiliário, por exemplo, é uma tendência que tem crescido muito no mercado internacional e, consequentemente, refletido em inovações interessantes no modo de se investir em imóveis no Brasil. Essa modalidade de investimento abarca grande parte das soluções apresentadas pela ideia do LCI, mas se faz de maneira mais democrática, tornando possível que um leque maior de pessoas com interesse em aplicar seu dinheiro no setor imobiliário de forma simples, segura e rentável seja favorecido.

A ideia desse tipo de financiamento coletivo é funcionar numa lógica de “vaquinha online”, onde o investidor aplica seu dinheiro em um (ou vários) imóvel(is) já previamente selecionados por um time de especialistas e, ao fim do projeto, recebe de volta o valor de seu investimento acrescido de lucros gerados pela venda do bem imobiliário. Simples assim!

E a melhor parte é que, ao optar por investir em crowdfunding imobiliário, além de estar escolhendo por ter autonomia na hora de decidir onde e como investir seu dinheiro, você consegue uma taxa de rentabilidade alta investindo a partir de apenas R$1.000,00. Se você quer saber mais sobre como já é super fácil em apenas alguns cliques ser possível fazer parte da parcela de investidores no setor imobiliário, é só baixar nosso ebook online completo sobre crowdfunding imobiliário!

crowdfunding imobiliario