Você conhece a taxa CDI e sabe como analisar seu investimento a partir dela? Se você não sabe do que estamos falando, é hora de aprender mais um conceito que será relevante para o sucesso de seus investimentos! 

Sempre reiteramos aqui no blog que é de extrema importância procurar conhecer mais sobre as siglas do mercado financeiro e seus significados em ordem de conseguir fazer fazer boas aplicações. E com o CDI não poderia ser diferente: entender sobre o Certificado de Depósito Interbancário é uma carta na manga pronta para beneficiar seu jogo financeiro. 

Por isso, se você ainda não conhece e não sabe qual o impacto da CDI, ou se está procurando se aprofundar mais no assunto, está no lugar certo! 

Do que se trata a taxa CDI? 

A esta altura você já conseguiu ligar a taxa CDI (também conhecida apenas como taxa DI) à sigla que designa os Certificados de Depósito Interbancário – mas saber apenas isso não é explicação o suficiente, por isso vamos entender melhor do que o conceito se trata. 

Quando falamos de CDI basicamente estamos falando de títulos emitidos por instituições financeiras para outras instituições financeiras, como forma de empréstimo. Isso acontece pois o Banco Central determina que um banco precisa fechar o dia com saldo positivo, mas, como isso nem sempre acontece, as instituições financeiras utilizam os CDIs para conseguirem colocar as contas em ordem. 

E talvez essa história esteja te lembrando o CDB, que, apesar de ter uma sigla parecida, se diverge em um ponto central desse novo conceito: enquanto no CDB um banco pode fazer um empréstimo a outros investidores, a CDI acontece apenas entre instituições financeiras. Em outras palavras: a taxa CDI está restrita ao universo do mercado interbancário! 

Cada branco tem a liberdade de definir qual o valor irá cobrar pela CDI e, dessa forma, a taxa DI passa a significar a média dos juros das operações travadas naquele dia. Uma vez que diz respeito ao empréstimo entre bancos, a taxa CDI acaba por representar as condições de liquidez do momento presente do mercado e, calculada diariamente, pode ser consultada diretamente na CETIP (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados) . 

E por falar em bancos, que tal descobrir mais sobre os segredos de seu funcionamento? Aqui neste artigo você entende mais sobre o dia a dia dessas instituições!

A importância da taxa CDI nos seus investimentos pessoais 

Bom, mas se essa transação acontece exclusivamente entre bancos, onde e como acontece o impacto da CDI nos investimentos pessoais de pessoas físicas, como você?

A resposta é mais simples do que você pode estar imaginando: a taxa CDI passou a se fazer de referência para o mercado de crédito e do mercado financeiro. Basicamente, a taxa DI passou a ser considerada como a rentabilidade mínima esperada em uma aplicação, o que quer dizer que analisar o Certificados de Depósito Interbancário te ajuda a compreender a rentabilidade e os riscos envolvidos em um investimento!

Apesar desse papel se parecer com o da taxa Selic e dos dois conceitos caminharem bem próximos um ao outro em relação aos valores que apresentam, o spread bancário faz com que a taxa CDI seja mais confiável do que a Selic. Isso acontece pois, enquanto a taxa Selic é definida pelo Banco Central e, portanto, mais rígida, a taxa DI é definida pela média praticada no mercado, e não pelo governo. Além disso, o Certificados de Depósito Interbancário é atualizado diariamente, como comentamos, e a taxa Selic tem um espaço de 45 dias entre suas atualizações. 

E, para entender melhor as divergências entre as taxas CDI e Selic é só clicar aqui!

Como fazer esse cálculo

O primeiro passo para calcular a taxa CDI nos investimentos que você decide fazer é consultar o site da CETIP. Lá, você vai conseguir encontrar a rentabilidade anual da taxa DI e é nela que você deve focar! 

Com este número em mãos, basta multiplicar o percentual do CDI daquele investimento que você pretende fazer pela taxa DI acumilada. Pode parecer complicado, mas se pensarmos um exemplo em números você vai entender melhor. 

Vamos supor que a taxa CDI acumulada seja de 8,5% e você pretende aplicar em uma Letra de Crédito Imobiliário (LCI) durante um ano. Caso esse investimento prometa um LCI com 100% do CDI, isso quer dizer que o seu investimento vai render 8.5% nesse período. Caso a promessa seja de 90%, você vai ter um rendimento de 8,5 x 0,90 – ou seja, seu investimento ao final de um ano terá acumulado 7,65%. No exemplo oposto, em uma LCI que prometa 115% do CDI, seu rendimento será maior: 8,5 x 1,15 = 9,76%. 

Ou seja, apesar de que quanto maior a taxa CDI maior seu rendimento, é importante ficar de olho, também, na variável prometida pela aplicação. As oportunidades de investimento que prometem um rendimento igual ou maior do que 100% do CDI se mostram mais atrativas.  


Se você acompanha o blog da INCO, você sabe a importância que damos ao compreendimento da linguagem do mercado financeiro. Com o entendimento da taxa CDI, por exemplo, você consegue muito mais transparência e segurança na hora de investir, mas esse é apenas um dos conceitos que vai te ajudar a fazer bons negócios e lucrar com suas aplicações. 

Pensando nisso, e na missão de democratização do universo de investimentos que nossa plataforma propõe, montamos um glossário para te ajudar a se tornar um investidor cada vez mais consciente em relação a seu plano de investimento. Para ter acesso gratuito a este conteúdo, é só clicar na imagem abaixo!

glossario do mercado financeiro

Publicações relacionadas