Por: Mário Pereira

Tempo de Leitura: 5 Minutos

Será o fim dos bancos como conhecemos?

O ano de 2019 vem sendo desafiador para os grandes bancos de varejo do país. Enquanto as ações do Itau Unibanco (ITUB4), Banco do Brasil (BBAS3) e Bradesco (BBDC4) vem tendo desempenho abaixo do mercado, as ações do Banco Inter (BIDI11) sobem sem limites e acumulam uma alta de 282% neste ano. Este resultado na bolsa parece inverter a “lógica do lucro” uma vez que, enquanto o Itau reportou lucro de R$ 7 bilhões no último trimestre, o banco Inter R$ 32 lucrou milhões em seu último balanço trimestral.

Não, você não leu errado…

são R$ 7 BILHÕES contra R$ 32 MILHÕES de lucro…
Em outras palavras, é uma batalha do elefante contra a formiga. Contudo, na fábula infantil, a união de muitas formigas foi capaz de derrubar o feroz elefante.

A má vontade do mercado com os bancos tem um nome complicado, mas já famoso entre aqueles mais ligados em tecnologia, são as fintechs, empresas de tecnologia do setor financeiro que oferecem serviços antes oferecidos apenas pelos grandes conglomerados bancários. Neste sentido, o Banco Inter se transformou na queridinha do mercado em 2019.

Banco Inter, Nubank, Creditas, XP Investimentos, Warren, INCO e tantas outras fintechs são exemplos de formigas que, juntas, podem sim desafiar os elefantes do nosso mercado financeiro

segredos dos bancos

Competição, bom para você cliente…

Antes de qualquer análise, para você consumidor este movimento é uma ótima notícia. Empréstimos a taxas de juros mais baixas, produtos de investimento com custos de administração mais baixos e maior oferta de produtos são apenas alguns dos bons ventos que esta mudança vai trazer.

A tecnologia DERRUBOU as barreiras a entrada de novos players no mercado. Empreender agora é tudo uma questão de ter uma boa ideia e um bom plano de negócios e não mais de ter muito dinheiro. Este movimento está apenas no começo e pode sim desafiar o reinado dos “elefantões” do nosso mercado financeiro.

A reação dos bancos tem sido de mudanças na sua aparente forma de…

…vender o mesmo serviço.

Como você já leu aqui, quem traz segurança ara o investidor é a regulamentação do mercado e não bandeira do banco.

Se esta mudança não se traduzir em JUROS MAIS BAIXOS, CUSTOS MAIS BAIXOS e MAIS TRANSPARÊNCIA a mudança em curso poderá sim ganhar escala e afetar a rentabilidade dos, atualmente, maiores bancos do país. E isto não tem a ver apenas com o atendimento ao cliente pessoa física. Qualquer empresário que pretende captar recursos mais baratos para financiar seus projetos de investimentos é um potencial cliente das fintechs e plataformas de investimento e financiamento que vem surgindo no mercado.

Como a bolsa é basicamente um lugar de precificação de expectativas, isto se reflete nos preços hoje. Por isso a euforia com os R$ 32 MILHÕES de lucro do Banco Inter e a má vontade com os R$ 7 bilhões de resultado o Itau. Em outras palavras, os investidores já não duvidam do estrago que o exército de formigas pode fazer no reinado dos elefantes e, mais do que isso, eles acham que o exército vai crescer daqui em diante. O futuro não é o banco atual com uma cara digital, é um novo banco.

Os ataques a produção de petróleo na Arábia Saudita

No sábado, Drones atacaram duas grandes instalações de produção de Petróleo na Arábia Saudita. O choque na oferta de petróleo será de 5,7 milhões de barris por dia, o que representa 5% do suprimento global de petróleo.

Em reação imediata, o preço do barril de petróleo disparou na abertura dos negócios em Londres, na maior alta para abertura desde a guerra do Golfo em 1991.

O que considerar agora.

A parada na produção da Arábia Saudita será momentânea e a movimentação dos estoques de petróleo poderá ser suficiente para manter o equilíbrio do mercado. Após a abertura perto das máximas, os preços recuaram um pouco depois que o presidente Donald Trump autorizou o uso de estoques de emergência para assegurar o suprimento de petróleo nos EUA.

A OPEP, que reúne os principais produtores e exportadores de petróleo do mundo, também disse que é cedo para tomar qualquer medida de alteração na produção de petróleo dos países membros, também citando a movimentação dos estoques como uma medida de proteção aos preços. Em outras palavras, em relação a oferta de petróleo, os efeitos do ataque poderão ser pontuais e temporários.

Contudo…

O principal ponto a se observar a partir de agora são as implicações políticas do evento. Por sua importância na matriz energética mundial, o petróleo tem um forte componente geopolítico ao redor do mundo. Neste sentido, observar as consequências neste campo será tão ou mais importante do que os aspectos relativos oferta de petróleo.

E a Petrobras, como fica?

Em um primeiro momento, o efeito sobre os preços das ações da principal petroleira do Brasil será positivo. As ações devem subir apenas pela precificação do petróleo neste cenário de curto prazo.

Contudo…

Como eu citei acima, a parada da produção na Arábia Saudita será momentânea, mas se este período for demasiadamente prolongado, o repasse dos preços mais altos no mercado internacional ao consumidor final será inevitável, o que pode colocar a empresa em um dilema que já foi visto anteriormente.

Se a Petrobras não repassar o aumento o preço ao cliente final, o impacto será extremamente negativo para a empresa, e consequentemente para o valor das suas ações. Em contrapartida, se repassar o preço ao cliente final, o impacto sobre a inflação será inevitável.

Forte abraço e boa semana

Mário Pereira
Seu consultor de planejamento financeiro.

Publicações relacionadas